28.8.16



NOSTALGIA

 voltei ontem a sala de aula de balé de priscas eras com espelhos chão de madeira e barras a volta e o peso da gravidade agravado os pés cravados com cravos pesados feito ferro pra levantar a cara deformada pelo reflexo que multiplica e refrata a luz fluorescente branca breca as ancas diz a quantas andas em passos da dança vacilante tateante confesso que fui mais figura e mesmo rolando um jazz no piano na gaita no violino o bailarino não baixou não dançou não saravou ou louvou o povo da dança
mas deitei no chão e ouvi os passos os saltos os arabesques e piruettes e grand jetés e pas de deux de um bailado medieval