11.10.07

A PALAVRA



Preenchendo a boca
Com vocábulos
De sumarento conteúdo,
Salivando,
Separo o joio do trigo.
Desfazendo travos
Revogo atos
Injuriosos,
Infames.
A força da palavra,
Bendita,
Livra,
Salva.
Maldita,
Condena,
Degreda.
Transpõe barreiras,
Cria mundos,
Vai à Roma,
Diz amor.
Mói, Rói, Dói.
Confunde Infunde
Aplaina Desnivela
Sela Mela
Derrete Endurece.
Carece de atenção.
Expatriada de patriamada multiracial,
Mix pantagruélico,
Empobreceu
Ficou flácida.
A flor do Lácio,
Fina,
Finou,
Lassiou
Lascíva.
Degringolou degradada.
Num engradado de cerveja,
Cruza pracas expricativas.
Atropelando as gentes,
Gentios sem brusa,
Pedalando bicicretas.
Incautos.
Incultos.
Não contam
Com o poder mágico
De seu divino conteúdo.


2 comentários:

Salatiel disse...

OI!!!
Belos poemas palavras exatas, centradas ao leitor que se identifica ou reconhece em alguma palavra ,ou verso, ou estrófe.
parabéns pelos belos sentimentos e emoções colocado em cada pedaços deles.
Pois uma flor de aflora com sua força tirada do sol,que por vez,o amorquando se namora se fortalece com forças tiradas do coração.

Anônimo disse...

pow tinha feito um comentario e nao consigo achar. achei tudo meravilhoso e adimiravel.as vezes um pouco contorto mas demostrando o talento que vc tem.vc sabe que te adimiro muito .
achei que essa é mais uma testimonhancia daquelo que é a sua vida !